Avanço do asfalto na PA-462, no nordeste do Pará

A vice-governadora do Pará, Hana Ghassan, recebeu o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, nesta terça-feira (24). Eles discutiram o modelo de economia verde e conheceram a plataforma paraense “Selo Verde”, que traz informações sobre a cadeia produtiva da pecuária nacional. A reunião decorreu no Palacete Faciola e contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Belém, Edmilson Rodrigues, do Secretário do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Mauro O’de Almeida, e de representantes das autoridades nacionais e locais, entre outros.

No encontro, Hana Ghassan revelou que o Pará é o maior produtor de hidrelétricas e o maior exportador de minério de ferro do Brasil, e informou que a cooperação trará bons resultados. “Acompanhamos de perto a visita de ontem desta delegação a Brasília juntamente com o governo federal, e agora estendemos nossos votos ao Brasil para retomar os laços de cooperação que unem nosso país com a União Européia, em várias frentes, não apenas comercial, mas em ampla cooperação técnica”, disse ela. Hana Ghassan.

Durante o encontro também foi apresentada a plataforma Selo Verde, que traz informações transparentes sobre a rastreabilidade da cadeia produtiva animal em todo o Pará. A apresentação foi conduzida por Andréa Coelho, assessora da Semas, Raoni Rajão e head da Semas.

Os países que vendem seus produtos para a União Européia devem estar atentos aos padrões de integridade ambiental, social e climática. “Espera-se que o Brasil e a Amazônia assegurem: que sejam fornecedores honestos, com garantia de integridade da produção, rastreabilidade para que saibam onde consomem, que os produtos não provenham de atividades relacionadas ao desmatamento ilegal, trabalho análogo à escravidão , uma série de normas ambientais e que o mundo moderno está construindo para um consumo sustentável”, destacou o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Pará, Mauro O’de Almeida.

Ainda, segundo o secretário, o Selo Verde é a mais atual estratégia de divulgação da situação ambiental dos bens e sua produção. O Pará foi o primeiro estado brasileiro a implantar um sistema público com essas informações, ainda em 2021. A criação da plataforma resultou de uma colaboração firmada entre o governo do Pará e o Centro de Inteligência Territorial (CIT) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), daí a importância da parceria. O selo verde é elementary para reduzir o desmatamento e mitigar as mudanças climáticas.

“A Semas está trabalhando em uma revolução tecnológica na gestão, por isso a importância de parcerias como a que temos para trabalharmos juntos no desenvolvimento do CAR 2.0; com o INPE, que adapta as ferramentas com base em nossas exigências e que são utilizadas por outros estados, e o Selo Verde, onde podemos ter um cenário realista de que agora 80% das propriedades que comercializam gado não sofreram desmatamento desde 2008 e muitas propriedades que estão negociando em grande escala têm desmatamento depois de 2008, mas são pequenos desmatamentos. Assim, a partir desse diagnóstico, a Secretaria poderá olhar para essas características e traçar estratégias para regulá-las. Trabalhar com monitoramento e fiscalização ambiental requer muitos recursos, muito esforço, e a parceria com a União Europeia, como no caso da Noruega, é muito importante” – finalizou.

COP 30 em Belém

Frans Timmermans disse estar satisfeito com a oportunidade de a Amazônia sediar uma conferência do clima em 2025 (COP 30). “Há algum tempo pude visitar uma ilha (Combu) com grande potencial e a exuberância que é a cara da Amazônia. Estou muito feliz que a Amazon possa sediar a Conferência do Clima”, disse. Durante o encontro, Timmermans também anunciou que parcerias entre o Estado e a União Europeia seriam bem-vindas. “São propostas de cooperação na formação profissional que visam a implementação da “nova economia verde” – acrescentou.

selo verde – A ferramenta foi desenvolvida e está em implantação, passando pela fase de institucionalização, aperfeiçoamento e atualização de seus fundamentos. A ferramenta confirma o trabalho do Plano Estadual Amazônia Agora, que é a maior estratégia ambiental do Pará, que tem como principais objetivos reduzir a criminalidade ambiental, promover a regularização ambiental, garantir o desenvolvimento social de baixo carbono, além de criar um mecanismo de financiamento atividades que conciliam proteção ambiental, desenvolvimento econômico responsável e justiça social.

A plataforma é uma resposta às crescentes preocupações de investidores e compradores de commodities que podem estar relacionadas ao desmatamento.Selo Verde visa apoiar os produtores na regularização de suas propriedades e no monitoramento do cumprimento do fornecimento de gado, conforme exigido pelos órgãos reguladores. .

Entre os benefícios do Selo Verde estão atividades que permitem que produtores rurais, frigoríficos e/ou interessados ​​avaliem suas propriedades e/ou fornecedores gratuitamente; ações para garantir a integração com os esquemas de regularização, reintegração ao mercado e envolvimento dos produtores rurais para o cumprimento da legislação ambiental; gerando transparência, agregando valor à produção agrícola e acessando mercados nacionais e internacionais com responsabilidade social e ambiental, e decisões que permitam aos pequenos e médios produtores acessar mercados mais exigentes, sem certificação privada e outros custos.

As informações de acesso público são obtidas no código de propriedade registrado no Cadastro Ambiental Rural (CAR), que recebe um selo de acordo com o grau de atendimento às normas ambientais e a situação das transações de gado.

Fonte: governo AP

Leave a Comment