Extremoz registra terceiro maior crescimento do Brasil – 13 de janeiro de 2023 – Notícia

carvalho ícaro
Repórter

“Pegue já”, “aproveite a oportunidade” ou “primeiro bairro planejado da Grande Natal” são algumas das frases mais comuns em praticamente todos os trechos da BR-101 que corta a antiga cidadezinha de Extremoz, 14 quilômetros do nascimento. Essas expressões se tornaram comuns nos últimos anos na cidade, que vive um growth imobiliário nos últimos 10 anos. O sonho da casa própria foi um dos que viram Extremoz passar de 24.550 moradores em 2010 para 61.381 moradores em 2022, segundo dados censitários do IBGE, tornando-se o 7º município mais populoso do estado. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o crescimento de Extremoz foi o terceiro maior crescimento populacional de todo o Brasil.

Alex Regis

As vantagens são a proximidade com outras cidades da Metrópole e preços baixos

Este aumento foi considerado surpreendente por moradores, administração pública, construtoras, imobiliárias e moradores de várias cidades que, estimulados por diversos fatores, decidiram construir suas casas na “Terra do Grude”. Existem vários loteamentos ainda disponíveis e bairros planejados com centenas de casas atraindo novos moradores.

“Moro aqui por conveniência, o empréstimo foi aprovado e estou feliz. Aqui period ainda mais caro, mas consegui comprar lá. Moro com meus dois filhos. Aqui é a segurança do imóvel, nos sentimos confortáveis, ao contrário de outros bairros. O pessoal que vem aqui gosta, as ruas e as casas são legais”, explica Haroldo Bernardo da Silva, 39 anos, que mora com os dois filhos no bairro do Sport Clube, que será inaugurado em 2021. Ele mora em Extremoz há dois anos, tendo obtido a aprovação de crédito da Caix.

Entre alguns dos motivos que explicam o aumento está o fato de o município de Extremoz estar localizado na intersecção de três cidades da região metropolitana (Natal, São Gonçalo e Ceará-Mirim), estando a 20 minutos do Aeroporto Internacional Aluízio Alves. Assim, a cidade possui três lagoas e é cercada por cinco praias que atraem turistas o ano todo.

“O que gerou tudo isso foram os preços dos imóveis e a proximidade, com possibilidade de morar na Grande Natal, acessível, com bairros organizados e infraestrutura. Afinal, veio gente para cá”, explica a prefeita de Extremoz, Jussara Gross sales de Souza (PROS).

Com a migração da população para Extremoz, são vários os empresários que também direcionaram suas energias e investimentos para a cidade nos mais diversos segmentos, como supermercados, padarias, postos de gasolina, entre outros. “Antes, tínhamos apenas uma posição na Extremoz. Agora são nove”, explica o motorista João Maria de Souza, 43.

Em um dos bairros planejados de Extremoz, a enfermeira Jaqueline Ferreira, 50, montou desde dezembro de 2019 uma casa de repouso veterinária para atender às demandas dos moradores. “Decidimos comprar uma casa só para trabalhar nela. O preço das casas e as facilidades atraem. Seria mais caro em Natal. Quem não quer ter a casa própria? O que ainda falta fazer aqui, apesar de ser um bairro novo, é uma escola e um posto de saúde, porque somos atendidos pelo da Vila de Fátima, que fica bem longe”, explica.

Recentemente, em uma das novas ruas de Extremoz, além da rodoviária e outros pequenos pontos de atendimento, foi inaugurado um galpão. A demanda da população agora está relacionada à saúde e à educação, para que não precisem se deslocar por longas distâncias. Por exemplo, para quem vive num dos bairros do Clube Desportivo, a unidade de saúde mais próxima fica a pelo menos 30 minutos.

Outras dificuldades relatadas pelos moradores dizem respeito a outros serviços básicos, como bancos e transporte público: atualmente existem cinco linhas da Guanabara operando na cidade e em Natal. Quanto aos bancos, são três: Caixa Econômica, Banco do Brasil e Bradesco, sendo apenas a Caixa agência propriamente dita.

“O valor das casas e do próprio complexo foi o que nos motivou a vir para cá. Temos proteção. O preço aqui é bem mais barato que em Natal, e a casa é nova. Falta transporte aqui, que não é confiável, é só isso que as pessoas estão reclamando. Também não há caixa eletrônico, que você deve chegar ao centro. Quando se trata de saúde, temos apenas um hospital e postos de controle de bairro. Se precisar de alguma coisa, corre para Natal”, lembra o casal Valquécia Lima, 33, e Janeide Batista, 34, cabeleireira, que saiu de Natal há um ano para morar em Extremoz.

Reclamações sobre atrasos de ônibus e até distância em algumas ruas dos bairros planejados motivaram Luiz Pereira, 43 anos, morador do município de Murici, a abrir um ponto de mototáxi próximo à rodoviária. Os preços variam de R$ 5 a R$ 25 para trânsito dentro da cidade, mas podem chegar a R$ 50 para viagens mais distantes e até mesmo para Natal.

“Tenho percebido uma demanda aqui, às vezes o ônibus atrasa, demora muito, você pega o ônibus errado e desce aqui, e acaba conseguindo ir até o centro, onde você mora. Então a gente pega aqui no terminal e deixa em casa”, explica. Com ele estão mais três mototaxistas.

Explicação

Segundo especialistas, o aumento da população e da construção civil em Extremoz pode ser explicado por três fatores: a dificuldade de construir/adquirir casas em Natal; facilidade notarial e processual junto à Prefeitura; e preços mais baixos em comparação com outras cidades da Grande Natal.

Segundo o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-RN), as vendas de imóveis na cidade aumentaram 40% nos últimos cinco anos. Outros dados indicam que 15% dos imóveis oferecidos nos portais são vendidos mensalmente. Locais como o Extremoz Centro, Sport Membership, Moinho dos Ventos, Boa da Ilha e a zona fronteiriça de São Gonçalo do Amarante são os locais mais abertos.

O construtor e incorporador Julio Andrés Iglesias, que constrói e vende casas em Extremoz desde 2009, explica que o crescimento também está atrelado aos programas federais de subsídio habitacional, como Minha Casa Minha Vida (MCMV) e Casa Verde Amarela.

Quanto aos preços, a construtora estima que os terrenos do Extremoz podem estar com até 50% de desconto em Natal, Parnamirim e Ceará-Mirim no início de um growth imobiliário que atrai investidores e compradores. Também é fato que com o mercado aquecido, os imóveis também valorizam e sobem de preço.

“Em meados de 2012, o Extremoz se tornou uma alternativa para as incorporadoras, pois os terrenos de Parnamirim e SGA ficaram mais caros. As construtoras migraram porque viram uma oportunidade porque Extremoz fica perto de Natal e da zona norte”, lembra.

O secretário-diretor do Creci-RN, Moisés Marinho, apontou o mesmo fator. Atualmente, segundo ele, os custos em relação a outras cidades variam entre 30 e 40% da diferença de preço. “As pessoas se mudaram para lá por causa dos preços. Uma casa em Natal, com três quartos, um apartamento e sala, cozinha e banheiro, custa entre 200 mil e 220 mil. Pode ser adquirido na Extremoz por R$ 140 mil. É mais fácil conseguir financiamento, então afeta os custos. Você compra um terreno mais barato e constrói mais barato”, avalia, explicando ao mesmo tempo que os valores são variáveis.

Leave a Comment