Inca prevê 44 mil novos casos de câncer colorretal no Brasil anualmente

Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca) indicam o surgimento de 44.000 novos casos de câncer colorretal ou colorretal anualmente no Brasil, sendo 70% concentrados nas regiões sudeste e sul. “É uma doença muito comum. É o terceiro. ela vai perder para [câncer de] mãe, você vai perder para [câncer de] próstata. Em terceiro lugar está o câncer colorretal”, disse o cirurgião oncologista Rubens Kesley, coordenador do grupo de câncer colorretal do INCA.

+ Leia mais notícias do Brasil

+ Receba mensagens do Meon through WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/GrkfVyt9TgB5kzD9FiFMzi

Segundo o especialista, em países desenvolvidos, como os Estados Unidos, costuma haver mais casos novos desse tipo de câncer a cada ano. Há uma estimativa de 150.000 novos casos por ano na América do Norte, que tem uma população de cerca de 300 milhões. À medida que o Brasil melhora gradualmente sua situação socioeconômica, mais e mais casos estão no horizonte. “Há um crescimento vertiginoso. É uma curva fechada.”

Rubens Kesley lembrou que há cinco anos no Brasil surgiam 25 mil novos casos de câncer colorretal por ano, e a expectativa é que esse número suba para 80 mil casos por ano nos próximos cinco anos. “Simplificando: hoje são 44.000 e contando. A incidência aumentará significativamente.”

fatores

Uma dieta pobre em fibras está associada a um aumento na incidência de câncer colorretal, confirmou um oncologista. Isso se explica pelo fato de que, à medida que as condições socioeconômicas do país melhoram, as pessoas passam a consumir mais alimentos industrializados e ultraprocessados ​​e deixam de consumir alimentos ricos em fibras. “A fibra é como uma vassoura. Think about uma vassoura que limpa o cólon, o intestino grosso. Quando você para de usar a vassoura, o lixo se acumula. Portanto, a falta de alimentos ricos em fibras aumenta muito a incidência.”

Outro fator que pode levar ao câncer colorretal é a carne vermelha, principalmente aquela usada na grelha, queimada, com muita gordura. “Porque é rico em hidrocarbonetos que são muito cancerígenos.” A carne cozida é a melhor. Outros fatores que contribuem para o desenvolvimento do câncer colorretal são tabagismo, sedentarismo, alcoolismo, obesidade, principalmente belly. Entre eles, Kesley listou a obesidade, o sedentarismo e os alimentos industrializados e com baixo teor de fibras como os principais fatores para o desenvolvimento do câncer colorretal. “É realmente o carro-chefe dos fatores de risco mais agressivos.”

Outra preocupação a se cuidar é a saúde bucal, já que existem bactérias na boca que favorecem o desenvolvimento da doença. “Esta bactéria está associada a uma incidência muito alta de câncer colorretal”, diz ele. Um estudo recente de cientistas da Columbia Dental Faculty, em Nova York, mostrou que Fusobacterium nucleatum, uma das bactérias da boca, pode acelerar o crescimento desse tipo de câncer. Daí a importância da profilaxia oral, recomendou o médico.

Colonoscopia

Em todo o mundo, a colonoscopia foi considerada o método mais eficaz de prevenir o câncer colorretal, disse Kesley. Isso explica por que o câncer colorretal não começa grande. “Ele descobriu o grande. Mas antes period um pólipo, period pequenino.” Nesta fase, uma colonoscopia take away esses pequenos pólipos. “A colonoscopia é uma arma, comparável à bomba atômica, contra o câncer colorretal porque permite preveni-lo, detectá-lo precocemente, ver até o estágio do pólipo e tratá-lo porque take away o pólipo sem necessidade de cirurgia, economizando milhões. No diagnóstico, o médico constata que existe um tumor, e no tratamento, se houver um pequeno tumor, você curará o paciente. O câncer é removido por colonoscopia em situações selecionadas.

O momento da sua colonoscopia novamente dependerá se você tem ou não um pólipo. Se um paciente fizer uma colonoscopia e estiver tudo bem, ele pode repetir o exame a cada cinco anos. Se você tem um certo tipo de pólipo (adenoma) que é um precursor do câncer colorretal, você deve repetir a colonoscopia no ano seguinte. O prazo para renovação do exame, portanto, estende-se de um a cinco anos.

idade apropriada

Para a grande maioria da população sem histórico acquainted de câncer, estes são saudáveis, de risco muito baixo, não fumantes e não bebedores com evacuações diárias normais, idealmente uma colonoscopia em 55 anos. “Mas isso deve ser visto por um coloproctologista. Essa é uma decisão médica, pois dependendo do risco, você pode precisar mais cedo, alerta o especialista.

No caso, por exemplo, de pessoas com histórico acquainted de câncer, como aconteceu com a atriz Angelina Jolie, elas não podem esperar. Você precisa procurar um bom especialista que indicará o melhor momento para realizar uma colonoscopia.

No entanto, este teste pode ser realizado antes dos 55 anos na presença de sintomas. Pacientes com anemia ou dor recorrente (cólicas intestinais) devem consultar seu médico para descartar o risco de câncer colorretal. Neste caso, trata-se de pacientes com alterações no ritmo das evacuações, ou seja, na frequência das evacuações, que incluem diarreia ou constipação com cólicas.

Estado avançado

Segundo Rubens Kesley, a falta de colonoscopistas, principalmente no inside do país, faz com que a maioria dos pacientes seja diagnosticada com câncer de intestino em estágio avançado, como foi o caso dos futebolistas Pelé e Roberto Dinamite. “Normalmente, esse estágio avançado é o fator determinante na gravidade do câncer.” Isso significa que o estágio da doença determina o prognóstico.

O cirurgião do Inca, por outro lado, enfatizou que a evolução do tratamento foi tão grande nos últimos anos que, mesmo que o estágio seja muito avançado, há possibilidade de sobrevivência. De todos os pacientes com câncer colorretal, 20% sobrevivem e 80% morrem. “Vale a pena correr atrás do paciente, porque até uma condição muito avançada pode ser curada.” An opportunity de cura é menor. Um em cada cinco pacientes com câncer avançado sobreviverá. “Mas há uma likelihood. Se pudermos salvar um em cada cinco, será um grande passo à frente”, disse Kesley.

No entanto, ele admitiu que o câncer ainda é um desafio para a ciência. A doença é uma mutação do DNA protegida por duas membranas. Infelizmente, atualmente não existem drogas capazes de reorganizar o DNA. Então, quando um paciente já tem uma doença resistente à quimioterapia e à radioterapia e já se espalhou, o tratamento do câncer se torna ineficaz. No caso de Pelé e Roberto Dinamite, o tumor já havia se twister resistente à quimioterapia e à radiação, e a cirurgia period inútil. Isso significa que, uma vez que as células cancerígenas se espalharam, a possibilidade de cura é bastante reduzida.

Baixa: Alan Grande / Edição: Ajudante Graça / Fonte: Agência Brasil

Leave a Comment