marca nacional que criou alternativas veganas à manteiga e ao queijo – NiT

Yogan Creamery: Uma marca nacional que criou alternativas veganas à manteiga e ao queijo.

Nasceu em 2016 como resposta a produtos vegetais altamente processados. Em 2023, chegaram a Auchan e também são vendidos no exterior.

Eles se concentram principalmente em queijos.

Já existem várias alternativas lácteas veganas no mercado hoje. Infelizmente, em um passado (muito) não tão distante, isso não acontecia. Uma lacuna que “foi um grande problema” para Martigny Costa, agora com 34 anos. É licenciada em Engenharia e Gestão Industrial e trabalhou na indústria de consultoria. Em 2016, criou a Yogan Creamery, que se destacou neste segmento, com o objetivo de produzir o que queria consumir mas não encontrava à venda.

“Comecei fazendo essas alternativas vegetais ao queijo e iogurte só para mim, porque não conseguia encontrar boas opções nos supermercados.”, diz NiT. Embora Martigna não seja 100% vegana, sua dieta tem sido principalmente baseada em vegetais por muitos anos. De vez em quando ela prova queijos feitos de leite para compará-los com as oferendas que ela mesma faz.

Ela se entristece com a forma como os animais são tratados ao longo de suas vidas, onde a morte sempre acaba. “Não há o menor respeito por esses seres vivos. Um dos nossos pilares é a falta de sacrifício de animais”, admite. Em vez do leite de vaca, por exemplo, optam por bebidas à base de amêndoas e castanhas de caju, azeite de oliva e óleo de coco. Ao mesmo tempo, apoiam técnicas de fabricação artesanal para produzir produtos menos processados, fator que diferencia a Yogan Creamary de outras marcas no mercado.

Embora a empresa tenha sido criada em 2016 com a ajuda do marido José Casimiro, de 35 anos, o negócio “começou a ficar mais sério” apenas no ultimate de 2017. Naquela época ela estava sediada em Lisboa, mas agora trabalha com Jogan em Barcelos. “Quando somos os primeiros, temos que explicar todo o conceito, o que não é fácil”, dizuma.

O nome da empresa combina três coisas que ele tanto ama: iogurte, comida vegana e ioga. Segundo Martigny, um dos pilares dessa prática milenar é muito parecido com uma marca. “Os produtos são realmente feitos para fazer as pessoas se sentirem bem”, explica ele. No entanto, a Yogan Creamery vai muito além disso. “Antes de tudo, somos resilientes. Mas também queremos manter esses momentos tradicionais, mudando os materiais utilizados”, observa.

Somam-se a essa abordagem alimentos e criações saudáveis, que, curiosamente, não são encontrados em muitas outras marcas. “O mercado vegano está repleto de alimentos processados ​​com muitas misturas de óleos, farinhas e sabores artificiais.A oferta vegana de queijo e manteiga que costumava dominar esse segmento da indústria alimentícia inclui muitas versões que não são muito saudáveis, e Martigna queria mudar isso.

O objetivo, diz ele, é trazer alternativas saudáveis ​​ao mercado, “usando bons ingredientes”. O fundador admite que não tem uma gama tão vasta de produtos como as outras marcas, mas acontece, é assim, porque não colocam nas prateleiras algo ultraprocessado. “Conseguimos competir com eles não só em qualidade, mas também em preço justo”, orgulha-se.

A Yogan Creamery começou 2023 da melhor forma possível: com a colaboração da Auchan. Desde 2 de janeiro que já é possível encontrar uma alternativa vegana à manteiga de algas marinhas nos supermercados da cadeia – uma embalagem de 120 gramas custa 3,59 euros.

Esta proposta, segundo o co-fundador, “traz sabor a mar a qualquer prato”. Também pode ser barrado no pão ou utilizado para fazer patês, juntando-o ao grão-de-bico. Martigna adora usá-lo em receitas de massas e cogumelos para um sabor diferente. “Além disso, tem a vantagem de não conter sal”, o que acaba sendo mais saudável do que muitos óleos tradicionais.

Apesar do sucesso desta proposta de algas, O best-seller de Yogan é uma alternativa ao queijo Camembert à base de castanha de caju. No entanto, o processo de fabricação é o mesmo. “Usamos uma cultura semelhante a queijo e depois a colocamos em uma câmara de cura e desenvolvimento de camadas por duas semanas. Foi o nosso produto estrela no ano passado”, explica. Cajubert, como é chamado, é vendido por € 7,29.

Afinal, como são criadas (e pensadas) as diferentes ofertas de banner? Tudo surge devido às necessidades que Martigna experimenta. Você costuma ir ao supermercado e ver que não há opções veganas para muitos dos seus queijos favoritos. Em seguida, “basta começar a experimentar” até que você possa criar alternativas. “É um processo que leva muito tempo. Antes de chegar ao gosto certo, precisamos quebrar muitas pedras”, admite.

Em 2023, a Yogan Creamery não pretende abrandar. Um dos objetivos é criar uma alternativa vegan ao queijo Serra da Estrela. “Estamos no caminho certo”, observa. Além disso, pretendem reforçar a sua presença no mercado nacional e, sobretudo, no internacional. Eles estão atualmente baseados na Inglaterra e na Espanha, mas querem mais ofertas desses países. Eles também pretendem restaurar a competitividade perdida no Reino Unido em 2021 e 2022 devido ao Brexit. “Nosso distribuidor faliu e tivemos muitos problemas”, lembra ele. Eles também esperam chegar a dois novos destinos: Alemanha e Canadá.

Clique na galeria e conheça algumas das alternativas lácteas veganas da marca.

Veja a galeria

“>

Defumado seco (4,99€).

Leave a Comment