Módica. Os afrescos de San Nicolò Inferiore brilham

Foram concluídas as obras conservadoras de restauração das pinturas murais da igreja bizantina de San Nicolò Inferiore, financiadas pela FAI – Fundo Italiano do Meio Ambiente ETS – em colaboração com a Intesa Sanpaolo no âmbito do projeto “I Locations of the Coronary heart”.
A recuperação dos afrescos foi possível graças às 30.226 pessoas que escolheram San Nicolò Inferiore como seu lugar favorito por ocasião do 10º censo promovido pela FAI. O recenseamento dos “Lugares do Coração”, como acontece frequentemente, contou com uma mobilização coral envolvendo associações culturais, grupos de voluntários, instituições públicas, escolas que, com grande entusiasmo, apoiaram a angariação de votos para a igreja. De fato, a dedicação, o empenho e a tenacidade levaram as associações culturais “Centro Studi sulla Contea di Modica” e “Associazione Culturale VIA” a criar um comitê no qual associações e grupos convergiram com o único objetivo de salvar este precioso monumento da deterioração e valorizá-lo para as gerações futuras.

O excelente resultado alcançado permitiu que a igreja rupestre de San Nicolò Inferiore se posicionasse em sexto lugar no rating do censo nacional e em 2021 a associação cultural “Centro Studi sulla Contea di Modica”, proprietária da Propriedade, pôde assim participar do Chamada que a FAI lança após cada recenseamento para solicitar uma intervenção de extrema urgência para a recuperação dos frescos, dadas as precárias condições de conservação, nomeadamente devido a infiltrações de humidade. O projeto, selecionado pela FAI e Intesa Sanpaolo, obteve um empréstimo de 19.000 euros para sua implementação.

De origem medieval e, talvez, a mais antiga entre as igrejas da cidade, tendo sobrevivido aos terremotos, inundações e bombardeios de 1943, foi redescoberta por acaso em 1987 por Duccio Belgiorno por recomendação de alguns meninos que, jogando futebol na praça Grimaldi, havia identificado vestígios de pinturas murais dentro de um dammuso. Em 1993 foi adquirido graças a uma subscrição do “Centro de Estudos do Condado de Modica” que, temendo que o monumento descoberto se perdesse, tratou, de acordo com a Superintendência do BB.CC.AA. de Siracusa, para trazer à luz as várias estratigrafias que testemunham a sua evolução. O pequeno edifício, que se encontrava em mau estado de conservação também por uso indevido – serviu também como armazém -, é composto por uma sala com cerca de 45 metros quadrados e abside semicircular com frescos medievais com Cristo ao centro Pantocrator rodeado por anjos. Ao longo das paredes vê-se um assento obtido poupando a rocha calcária onde foi escavada a igreja. O edifício representa o traço mais evidente e preservado da arquitetura rupestre bizantina na área de Monti Iblei e foi a igreja paroquial do bairro de língua grega do início da Idade Média.
Uma história extraordinária para uma igreja extraordinária que conta, através do seu palimpsesto pictórico, a transição do rito ortodoxo grego para o latino.

O rigoroso trabalho de desinfeção, desinfestação e fixação das pinturas murais, que acaba de ser concluído, foi realizado pela empresa Methodos, em colaboração com Gaetana Ascenzo Restauri, e contou com o cofinanciamento da Acqua Santa Maria, Edilzeta Zaccaria e da Câmara Municipal de Módica. Além disso, durante a intervenção, os visitantes de San Nicolò também foram espectadores excepcionais da recuperação dos afrescos, pois puderam testemunhar os “bastidores” da fase de restauração.

Giuseppe Gini, Presidente Regional da FAI Sicília, deseja comentar: “A FAI atua na área há mais de 50 anos para valorizar, promover e proteger, por meio dos Dias FAI e da campanha “Lugares do Coração”, os grandes patrimônio cultural e paisagístico da Sicília e da Itália, ajudando a salvar bens de valor imensurável, como a igreja rupestre de San Nicolò Inferiore. As iniciativas propostas pela FAI tornam-se oportunidades para toda a comunidade reapropriar-se dos seus tesouros, assumindo-se assim como excecional protagonista de uma grande ação de valorização e salvaguarda do seu património monumental e paisagístico e da sua identidade cultural. Em 2020, o censo promovido pela FAI e Intesa Sanpaolo desencadeou um mecanismo de interação entre associações e instituições culturais em Modica, permitindo a obtenção de um resultado extraordinário para a cidade e para a Sicília”.

“San Nicolo Inferiore merece ser um lugar do coração” – sublinha a Chefe da Delegação da FAI de Ragusa Avv. Gisella Scollo – “pelo que representa para Modica e para toda a Sicília: um precioso testemunho da história religiosa da ilha e um unicum no panorama da Sicília medieval. É um lugar de memória, é o passado que dialoga com o nosso presente. A FAI junto com o Intesa Sanpaolo permitiu que a igreja deixasse de ser uma simples prerrogativa daquele passado e devolveu-lhe uma beleza renovada”.

O Comissário Extraordinário do Município de Modica Dr. Domenica Ficano, o Deputado Regional e Prefeito cessante Ignazio Abbate, o Superintendente do BB.CC.AA. Antonino De Marco e o gerente de projeto Carlo Giunta.
A conferência também conta com a extraordinária participação do Prof. Giovanni Di Stefano, professor universitário de Roma Tor Vergata e Calabria e do Prof. Vittorio Rizzone, abade do Mosteiro de San Martino delle Scale, estudiosos, juntamente com a falecida Dra. Annamaria Sammito, de o monumento rochoso.
Após a coletiva de imprensa, os alunos do Instituto de Ensino Superior Archimede de Modica acompanharão os visitantes para descobrir o native, ilustrando a incrível história de San Nicolò Inferiore e seus afrescos, e será lançada oficialmente uma petição para o nome da praça Grimaldi, em frente a San Nicolò Inferiore, em homenagem à arqueóloga Annamaria Sammito, falecida prematuramente no ano passado. Na tarde de 21 de Janeiro vai decorrer um passeio animado para crianças, organizado pela Associação Cultural VIA, para comemorar o décimo aniversário da publicação do guia “Un giorno a Modica” da ilustradora Rosa Cerruto e assim contar aos mais pequenos a história da cidade e de San Nicolò Inferiore.

O censo dos “Lugares do Coração”
Dar voz aos relatos dos bens mais queridos da Itália para garantir o seu futuro é o propósito de Locations of the Coronary heart, um projeto lançado pela FAI em 2003 e promovido em colaboração com o Intesa Sanpaolo que visa envolver concretamente toda a população e contribuir para sensibilizar para o valor do património cultural e paisagístico do nosso país. Através do recenseamento – que é realizado em anos pares – a FAI insta as instituições locais e nacionais competentes a disponibilizarem as forças para a salvaguarda dos locais caros aos cidadãos; mas o recenseamento é também o meio para intervir directamente, sempre que possível, na recuperação de alguns bens votados. De fato, após o censo, a FAI e o Intesa Sanpaolo financiam diretamente uma seleção de projetos promovidos pelos territórios em favor de localidades que atingiram um patamar mínimo de votos. O Lugares do Coração, desde a primeira edição até hoje, permitiu lançar 139 intervenções a favor dos lugares graças à colaboração ativa com as instituições. Mais numerosos ainda são os efeitos virtuosos desencadeados pela iniciativa, que levaram à recuperação de patrimônios graças à mobilização de administrações públicas e de particulares. A décima primeira edição do censo está em andamento. Até 15 de dezembro de 2022, será possível votar e fazer votar os seus Lugares do Coração em www.iluoghidelcuore.it ou usando os formulários de coleta de assinaturas em papel, que podem ser baixados do web site.
Para mais informações: www.iluoghidelcuore.it

Leave a Comment