O consumo de suplementos proteicos está se tornando cada vez mais comum no Brasil

O consumo de suplementos proteicos está se tornando cada vez mais well-liked no Brasil. O conjunto inclui, e. Whey Protein, barras de proteína e bebidas lácteas com alto teor de proteína. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Afins (ABIAD), as vendas desses suplementos aumentaram pelo menos 75% nos últimos cinco anos. Produtos antes reservados para academias estão sendo cada vez mais consumidos pelo público em geral.

Mas a suplementação de proteína é realmente necessária ou é apenas mais uma moda passageira? Especialistas afirmam que, em geral, pessoas jovens, saudáveis ​​e com uma boa alimentação consomem a quantidade diária necessária de proteínas. No entanto, a suplementação pode ser importante para veganos, vegetarianos, mulheres na menopausa, idosos com mais de 65 anos e pessoas com doenças crônicas. Sem falar, é claro, daqueles que praticam atividades físicas intensas e se esforçam para aumentar a massa muscular.

A proteína é um dos três macronutrientes (carboidratos e gorduras são os outros dois) que nos fornecem energia e, portanto, são uma parte importante de nossa dieta diária. A proteína é necessária para construir músculos e produzir certos hormônios e enzimas. O corpo é incapaz de armazenar proteínas; deve ser consumido diariamente, de acordo com a nossa idade, sexo, estado de saúde e nível de atividade física.

As diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam que adultos jovens saudáveis ​​consumam pelo menos 0,8 gramas de proteína por quilo de peso corporal por dia. No entanto, este é o mínimo necessário para não ser considerado desnutrido. Para muitos especialistas, a meta diária deveria ser um pouco maior.

ENVELHECIMENTO

À medida que você envelhece, especialmente depois dos 65 anos, pode precisar consumir ainda mais proteína para preservar seus músculos, entre 1 e 1,2 gramas de proteína por quilo de peso corporal, idealmente em combinação com exercícios. Por exemplo, para uma pessoa que pesa 80 quilos, isso significa incluir 16 a 32 gramas de proteína na dieta por dia.

“Os músculos são um trunfo; Construir massa muscular é importante ao longo da vida. Já foi demonstrado que pessoas com menos massa muscular têm pior prognóstico no caso da doença”, explica Márcia Soares, coordenadora do curso de suplementação nutricional da UFRJ. “À medida que envelhecemos temos uma perda pure de massa muscular, temos mais degradação do que síntese”

Estudos têm mostrado que, em média, as pessoas começam a perder massa muscular gradualmente entre 30 e 40 anos. Muitas mulheres na menopausa, independentemente da idade, geralmente relatam fraqueza muscular e falta de energia.

Após os 60 anos, a perda muscular acelera ainda mais em homens e mulheres. Quando fica muito pesado, é chamado de sarcopenia e pode causar problemas de saúde.

TRATAMENTO

A líder do projeto, Juliana Gongora, teve um tumor na hipófise em 2017 que acabou causando menopausa precoce aos 33 anos.

“Perdi muita massa muscular magra e massa óssea, meu corpo mudou completamente”, disse ela, hoje com 39 anos. “Recebi a recomendação de um endocrinologista para comer uma dieta rica em proteínas, fazer treinamento de força e tomar whey protein”, lembra ela.

Veganos e vegetarianos podem achar mais difícil atingir sua meta diária de proteína. Nesses casos, a suplementação também é indicada.

Mudanças radicais devem ser acompanhadas por especialistas

No entanto, os especialistas alertam que a necessidade diária de proteína de cada pessoa pode variar muito, dependendo das circunstâncias e condições de saúde. As pessoas doentes podem precisar de um pouco mais de proteína, assim como as pessoas que se exercitam muito. É por isso que todos recomendam consultar um especialista antes de fazer mudanças radicais em sua dieta.

“Um adulto que não tem problemas de saúde e come de forma saudável não precisa de suplementos de proteína”, disse a geriatra e nutricionista Katie Dodd em entrevista ao O jornal New York Instances. “Mas se por algum motivo eles não conseguirem obter a quantidade ideally suited de proteína em sua dieta, suplementos podem ser usados.”

A proteína de soro de leite é uma excelente fonte de proteína porque é rica em aminoácidos, os blocos de construção das proteínas, e é bem absorvida pelo organismo. O efeito é especialmente positivo quando o consumo é combinado com exercícios. O mesmo se aplica à creatina, iogurtes e barras enriquecidos com proteínas.

“Por exemplo, uma barra de proteína pode conter mais proteína do que uma barra regular. Mas ainda não é o suficiente. As quantidades devem ser adequadas”, explica o endocrinologista Eduardo Portugal, da Universidade Federal de São Carlos (UFScar). o concentrado tem muita gordura, lactose, pode ser prejudicial, por exemplo, para quem tem intolerância.”

EXERCÍCIO

No entanto, Portugal lembra que o exercício é essencial. “As pessoas estão sempre procurando o que é mais fácil, querem tomar a pílula mágica e ficar com a barriga chapada”, disse.

“Isso não vai acontecer. Não existe resultado sem esforço. O exercício faz uma grande diferença. Para quem busca apenas resultados estéticos, talvez seja melhor fazer uma visita presencial do que gastar dinheiro com suplementos.”

De qualquer forma, o ideally suited é distribuir a ingestão da quantidade necessária de proteína ao longo do dia para que o corpo consiga absorvê-la com mais eficiência, sem desperdiçá-la.

O consumo prolongado de proteína em excesso pode causar problemas renais e hepáticos, especialmente em pessoas que já têm a doença.

(Autor: Roberta Jansen/AE)

Leave a Comment